curiosidades

The Dipr, a colher para molhar bolachas no leite

Aquilo de que me recordo mais nos anúncios das Oreo não é a bolacha em si, mas sim o ritual de a abrir, lamber e molhar no leite. Isto, para mim (e passo a redundância seguinte) é a marca da marca.

The Dipr

O ritual partilhado por pequenos e graúdos poderá estar em risco com um invento bastante útil chamado The Dipr.

O The Dipr não é mais que um utensílio, em forma de colher, mas com uma curvatura que permite colocar a bolacha e molhá-la no leite. A sua grande vantagem é permitir molhar bolachas com recheio no leite, sem que estas se desfaçam em mil bocados que depois temos que tirar com uma colher normal. A maioria de vocês, aposto, já teve esta experiência e não gostou muito.

Disponível em cinco cores diferentes, o The Dipr está disponível para compra online. O custo é de 2,99 dólares americanos a unidade.

geekices

Porque a vitória da Apple contra a Samsung pode ser prejudicial

Há um ano atrás, a Apple processou a Samsung por violação de patentes e pediu 2,5 mil milhões de pagamento pelos prejuízos. A marca sediada em Cupertino alegava que a Sul Coreana estaria com “uma crise de design” e, por isso, decidiu copiar o iPhone.

O veredito foi finalmente conhecido e a Samsung foi condenada a pagar 1,05 mil milhões de dólares. O recurso desta decisão deverá seguir nos próximos dias.

A decisão é uma vitória para a Apple dentro dos tribunais. Mas será que o é fora deles? De acordo com Enrique Gutierrez, o público interpreta esta decisão de uma forma interessante e não muito favorável para a marca de Cupertino. O que ele se apercebeu enquanto tomava café num Starbucks, situação que posteriormente relatou no Google Plus, é que várias pessoas foram lendo as notícias sobre a vitória da Apple no processo contra a Samsung e que a interpretação de todas elas é que, de acordo com o veredito, as marcas são iguais.

I’m sitting in a Starbucks doing random whatever over an iced americano. While I waiting for my drink, I watched a guy with his friend, pick up a newspaper; and start to remark on the Samsung Apple verdict.

Guy: “Wait, so what they’re saying is, Samsung is the same as Apple?”
Friend: “I know, right? Makes me think twice about how much I paid for my Mac Book”
Guy: “Seriously”

Not 10 minutes later, a husband and wife, same newspaper:

Husband: “… Samsung’s iPad is the same as Apple’s iPad, and I paid how much for the Apple one? Honey, I told you they were a ripoff”, after looking up the Samsung tablet on his iPhone.
Wife: “Oh wow,” looking at the screen, “… that’s a lot cheaper. Think we can return it?”

I put my Samsung QX410 on my table, and started to plug in, when he leans over to me, “Sorry, you don’t mind if I ask, how much did you pay for your Samsung laptop?”

“Oh, no worries, it was $700.” I replied.

I watched shock overcome his face, like actual shock. He looked at me, blankly, for an awkward amount of time, “Mind if I have a look?” he asked.

So, I obliged, and showed him a few things. He commented on Windows 7, so I opened up my virtual machine of OS/X… By the time the conversation was over, he was ready to kick Cupertino in the nuts, I think.

… Now, the punchline:

I’m writing this post after the FOURTH group of Starbucks patrons have made the connection that Samsung is now the same as Apple. They don’t know the details, they don’t really care, what they know is Apple is saying that Samsung is the same as Apple … and with one simple Google Search, you get prices that are basically half for what seems to be the same products — for nearly everything.

Two of these groups (including the husband/wife) asked me about my Samsung laptop, the second group noticed my Galaxy phone (also by Samsung)… Best billion dollar ad-campaign Samsung ever had.

A vitória da Apple poderá não ser tão boa quanto isso, pelo menos a curto prazo. Se as pessoas começam a pensar quem ambas são iguais, então menos compradores vão optar por aquela que sobrevaloriza mais os seus produtos, ou seja, a Apple. A lógica é simples de perceber: se ambas são iguais e uma vende mais caro que a a outra, vou à mais barata. Mas isto também pode ser apenas passageiro. Com o tempo veremos se a vitória da Apple se torna numa derrota a nível de vendas.

divagações, política

A extinção da RTP2

O Governo, por recomendação do seu consultor António Borges, planeia concessionar a RTP1 a investidores privados e encerrar a RTP2. A justificação é a mesma usada para todos os cortes que já foram feitos: poupar, porque, disse António Borges em entrevista à TVI, o canal oferece muita despesa e tem poucas audiências.

Embora não tenha dados sobre o volume de audiências da RTP2, posso assegurar os leitores deste blog que é o único canal em sinal aberto que praticamente vejo. Nenhum outro, seja RTP1, SIC ou TVI, oferece documentários com a mesma qualidade; nenhum se foca tanto no desporto. São factos. A Markdata até tem uns gráficos bonitos, com dados de 2011, que o comprovam.

Os gráficos em causa representam macro géneros e estão divididos nas seguintes categorias:

  • Arte e Cultura;
  • Cultura;
  • Desporto;
  • Diversos;
  • Divertimento;
  • Ficção;
  • Informação;
  • Juventude.

gráfico markdata

Nas três primeiras categorias e na última, a RTP2 fica destacadamente à frente dos outros canais em sinal aberto. Na primeira, inclusive, só compete com a RTP1.

Talvez o Governo, em vez de ponderar acabar com o canal, deveria analisar de que forma pode otimizar o grupo RTP, talvez acabando com alguns dos ordenados milionários que por lá se pagam. Aí, sim, poupariam. Encerrar este canal só iria aumentar o défice de cultura do país, sem, desculpem-me a franqueza, qualquer benefício. Para mim, pelo menos, não teria, porque deixaria de ver televisão em sinal aberto.

geekices

Lula toca Cypress Hill

Vá, em boa verdade, a lula não tocou a música. O que aconteceu foi o seguinte: Greg Gage, da Backyard Brains, ligou um cabo de som a uma lula, cabo esse que estava ligado a um iPhone. Assim, conseguiu passar os impulsos elétricos ao animal. Ao receber os impulsos vindos do cabo, os pigmentos do animal, chamados cromatóforos, mudaram de cor consoante o sinal que recebiam. Podem constatar o resultado no vídeo que coloquei no início do post.

Esta experiência incomum teve lugar no Marine Biological Labs, em Woods Hole, Massachussets.

via

curiosidades

Studio211: surreal sensual

Studio211

Studio211 é um estúdio privado, sediado em Brooklyn, que empresta o nome ao projecto fotográfico que alberga. Os trabalhos realizados neste espaço misturam o erotismo com o surreal, utilizando decoração e uma série de adereços para dar mais ênfase à fotografia. No final, é intenção do projeto compilar as fotografias num livro a publicar.

via juxtapoz

curiosidades, política

Ucraniana em topless corta crucifixo com motossera em defesa das Pussy Riot

protesto em topless pela defesa das pussy riot

A condenação das russas Pussy Riot tem gerado bastante contestação. O Marco Santos tem feito alguns relatos no Bitaites, caso ainda não conheçam este caso e necessite de alguma contextualização.

Os protestos contra a decisão da justiça russa têm-se feito sentir um pouco por todo o lado. Na Ucrânia, uma mulher em topless e com mensagens de ordem escritas no corpo, cortou um crucifixo enorme com um motossera. Esta não foi uma iniciativa individual, mas um protesto da organização feminista ucraniana Femen.

Todas as imagens desta ação estão disponíveis no blog da Femen.

humor, política

Cavaco Silva e a interrupção das férias

O meu conterrâneo Carlos Esperança publicou um tweet que me deixou a pensar e bastante desanimado, até porque não tenho visto as notícias nos últimos tempos. Estou farto de negativismos e crises; chegam-me bem os problemas com que tenho que lidar neste momento, não preciso que me deitem mais abaixo.

A mensagem foi a seguinte:

Um PR que interrompe férias para inaugurar um hospital particular perde a confiança de quem o julgava capaz de defender o SNS.

Não quero de forma alguma julgar ou justificar esta atitude do Presidente da República, a qual me causa no entanto alguma desconfiança e desagrado. Justificações, essas, ficam a cargo dos seus assessores de imprensa e dos caçadores de tachos. No entanto, aposto que há uma justificação perfeitamente válida para esta interrupção de férias: o bolo-rei era à discrição. Que outro motivo teria o Cavaco Silva? Toda a gente sabe que o fascínio dele por bolo-rei é tanto que o come como se estivesse em jejum há mais de duas semanas.

dicas, geekices

Iceweasel/Firefox sempre atualizado na versão mais recente em Debian Testing

Há mais ou menos uma semana adquiri um portátil usado. A máquina é bastante fraquinha: é um HP Pavilion dv5000, com apenas 1GB de RAM (ainda por cima DDR1), processador AMD Turion 2GHz de 64bit, e uma gráfica com apenas 128MB de RAM e um GPU bastante lento. Felizmente que dá para partilhar parte da pouca RAM com a gráfica, aumentando ligeiramente o desempenho gráfico do sistema sem sacrificar o resto.

Para poder utilizar este computador, decidi instalar Debian Wheezy. A distribuição, mesmo com o Gnome Shell a correr, mostra um bom desempenho neste hardware, sendo possível ter dois browsers diferentes abertos, ver um vídeo no Youtube e ainda ouvir música no Rhythmbox (o leitor de músicas do Gnome) através da rede.

Como o Wheezy vai ser a próxima Stable do Debian, esta pareceu-me a escolha mais acertada: estável, seguro e com boa performance, como já vem sendo normal em qualquer versão estável deste sistema operativo universal. Claro que, para ter esta estabilidade, as versões dos pacotes não seguem de forma muito próxima as versões dos projectos upstream. Um desses exemplos é o Iceweasel, o fork que o Debian fez para o Firefox. O browser da Mozilla já vai na versão 14, mas em Debian mantém-se na 10.

A razão pela qual o Iceweasel se mantém na versão 10 deve-se à decisão de acompanhar a ESR (Extended Support Release) do Firefox. Podem ler mais sobre a ESR aqui.

Enquanto esta decisão parece ser a mais acertada para uma Stable do Debian, não o é para mim. O browser é parte importante da minha utilização e eu sou um pouco neófilo no que toca às tecnologias web, logo necessito de ter sempre uma versão recente disponível. Não tem que ser obrigatoriamente a última versão lançada, mas também não pode andar com um ano ou mais de atraso.

A solução passou por visitar a página da Debian Mozilla Team e seguir as instruções para adicionar o repositório da branch Experimental ao Wheezy. Isto não fez com que acabasse com pacotes do Experimental; bem pelo contrário, só instala de lá aquilo que eu quiser que seja instalado, sem necessidade de andar a fazer pinning (que era uma dor de cabeça).

Para os mais apressados, deixo de seguida os passos que devem tomar:

  • Como root, abrir o ficheiro /etc/apt/sources.list
  • Adicionar numa linha nova o seguinte: deb http://ftp.pt.debian.org/debian experimental main
  • Gravar o ficheiro
  • Num terminal, como root, colocar os seguintes comandos tal como aparecem: apt-get update; apt-get install -t experimental iceweasel

É só mesmo isto e ficam com o Iceweasel na versão 14, tal como o Firefox, e sem instalarem pacotes desnecessários do Experimental.