software livre

Mageia 3

Os utilizadores que pretendam uma alternativa a Windows e outros sistemas proprietários têm motivos para ficar contentes. Faz hoje uma semana que a versão 3 da distribuição de GNU/Linux, Mageia, foi lançada.

A lista de novidades é bastante extensa, mas deixo aqui um pequeno resumo das mais importantes:

  • Kernel atualizado para a versão 3.8.13;
  • KDE 4.10.2;
  • GNOME 3.6;
  • XFCE 4.10;
  • LibreOffice 4.0.3;
  • Systemd 195.

As várias opções de download estão no site oficial do projeto.

divagações, geekices, opinião, software livre

Um mês de balanço com Fedora

Já deve ter feito um mês – ou quase – desde que instalei o Fedora 18 no computador fixo. Inicialmente tinha algumas reticências sobre a continuidade da distribuição no meu computador, por diversos motivos, mas agora não. O sistema tem uma boa performance e dá poucas ou nenhumas chatices.

Aqui fica o balanço de quase um mês de utilização.

Software: Ubuntu vs Fedora

Um dos meus maiores receios, quando instalei Fedora, foi a existência de poucos repositórios adicionais. Para Ubuntu existem centenas, talvez até mais, no Launchpad, o que significa que a aplicação que pretendem tem grandes probabilidades de já ter pacotes disponíveis para a distribuição. Isto não acontece no Fedora, mas também não há necessidade disso porque quase tudo o que vão precisar para a vossa utilização diária vai estar disponível nos repositórios oficiais.

Até agora, não tenho tido qualquer contratempo com falta de software. A maioria das aplicações disponíveis para Ubuntu também está nos repositórios do Fedora. Nos casos em que isso não acontecer, vão existir alternativas viáveis – e ainda não tive nenhuma situação em que elas não fossem pelo menos tão boas quanto as aplicações que utilizava anteriormente.
Continue reading

geekices

Social Roulette, um jogo que pode apagar a vossa conta no Facebook

Estimados leitores e mui prezadas leitoras, vocês são pessoas que gostam de arriscar e de viver no limite? Também são geeks? Se reponderam “sim” a estas duas perguntas, desafio-vos a jogar o Social Roulette, um jogo criado por Kyle McDonald, Jonas Lund e Jonas Jongejan, onde as probabilidades da vossa conta no Facebook ser apagada é de 1 para 6. Aceitam o desafio?

via Laughing Squid

geekices

A pirataria online e o ataque da indústria aos seus melhores consumidores

Em Portugal, várias associações e (falsos) movimentos cívicos continuam a combater a alegada pirataria online. Estes grupos, como a ACAPOR e a MAPiNET, defendem que os seus lucros são afetados pela partilha livre de conteúdos online. Este argumento é também usado em vários países e por vários grupos de lobbying.

Será que este argumentário é verdade? De acordo com o regulador britânico das telecomunicações, Ofcom, as coisas não são bem assim.

Num estudo, com uma duração de 12 anos, concluiu-se que os “piratas” britânicos que mais downloads fazem são também quem mais gasta em conteúdos legítimos. A diferença chega aos 300%, comparando com aqueles que não infringem os direitos de autor. O alegado criminoso é, afinal, também um dos melhores clientes daqueles que o querem meter na prisão.

O site Torrent Freak resume isto muito bem:

Telecoms regulator Ofcom has just published a study into the state of online copyright infringement in the UK, with some very interesting conclusions. The researchers found that 10% of the country’s most prolific infringers are responsible for almost 80% of all infringements carried out online, but with a bonus. These plus an additional 10% of infringers spend 300% more than ‘honest’ consumers who don’t infringe copyright at all.

Os dados estão disponíveis em PDF, caso pretendam consultá-los.