divagações

Quando eu ainda debatia religião

religiao.jpg

Quando hoje vi estas duas imagens no 9gag.com, não pude deixar de me lembrar da minha adolescência. Sabem, eu venho de um meio pequeno e a religião nunca foi muito a minha cena. Desde talvez os 14 anos de idade que comecei inicialmente a questionar-me acerca da religião para, menos de 2 anos depois, acabar por perceber que tal não faz sentido e é inclusive usado para estabelecer hierarquias de poder.

Vivendo num meio pequeno, as críticas apareceram num instante. Primeiro, vieram as perguntas sobre o porquê de não acreditar no mesmo deus que eles ou mesmo em qualquer outro. Seguiu-se o “não podes acreditar em nada”. Por fim, já era classificado como maluquinho. Pelo meio disto tudo, ainda me perguntaram se era satânico. m/

Claro que isto é a versão resumida. Bem resumida. As situações caricatas que tive devido a isto foram muitas. Por exemplo, se eu fizesse uma comparação como a da imagem da esquerda, a seguir acontecia-me algo muito parecido com a da direita. True story.

Tentar debater racionalmente o tema “religião” com um religioso era impossível. Por mais racional que a pessoa tentasse ser, não demorava muito até começar a querer converter-me ou lá o que era aquilo. Uma coisa sei, pragmatismo não era. Expectável, pois a crença também não é racional, embora esteja em quase toda a humanidade. Safam-se aqueles que não têm o gene (ou era combinação de genes? não me recordo).

Hoje, já só digo que não tenho qualquer crença e apenas se me perguntarem, dou uma explicação muito breve dos motivos se for questionado sobre eles e não alongo mais a conversa. Salvo com um grupo demasiado pequeno de pessoas, com ou sem crença religiosa, que fala sobre o tema sem tentar convencer os outros do que quer que seja. Pena que sejam tão poucas as pessoas assim que conheço…

2 thoughts on “Quando eu ainda debatia religião

  1. Manuel Reis says:

    O problema com muitos católicos que conheço é que tentam impingir a religião deles às outras pessoas. Até podem ser gajos porreiros, mas a partir do momento que fazem isso, é metê-los a um canto e não falar com eles.

    Já agora, partilho aqui a minha experiência de “como nunca mais ser incomodado por testemunhas de Jeová”: Dás-lhes uma seca de 10 minutos a dizeres que tens um pacto com Satã e que fazes rituais malucos na tua casa. Nunca mais nenhum Jeová te incomoda. IT WORKS! 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *