geekices

Raspberry Pi, mais uma ferramenta contra a censura online

Raspberry Pi

Desde a primeira vez que li algo sobre o Raspberry Pi, o pequeno computador de 35 dólares, que vi nele o potencial para fazer um mediacenter de baixo custo e com grande potencial. Isso deve-se principalmente ao seu GPU, um Videocore 4 capaz de descodificar vídeos em fullHD. No entanto, como qualquer computador, a sua utilização está mais limitada pela criatividade do seu utilizador do que pela própria tecnologia.

Não fui o único a reparar no Raspberry Pi. No dia do seu lançamento, as lojas virtuais das duas empresas que o estão a comercializar foram abaixo devido ao elevado volume de acessos. Isto demonstra um grande interesse no produto. Por isso, arrisco dizer que uma procura grande poderá ser sinónimo de diferentes aplicações desde computador do tamanho de um baralho de cartas.

Hoje, ao ler o site Arstechnica.com, saltou-me à vista um artigo sobre uma utilização bastante interessante do Raspberry Pi. A ideia é de Nadim Kobeissi, criador da aplicação web Cryptocat, que permite comunicações seguras e encriptadas. A ideia do programador é criar servidores que utilizem a sua aplicação, para que possam ser usados em locais onde a liberdade de expressão é reduzida ou nula e a monitorização online é alta.

A fusão do Raspberry Pi seria sem dúvida uma mais valia em países com a China ou o Irão, onde o controlo da atividade online dos seus cidadãos é muito grande. Noutros, como em Portugal, onde temos o #pl118, ou até em espaço europeu, onde a ACTA ameaça colocar os seus tentáculos, pode vir a ser uma mais valia. Os benefícios também poderão vir a ser vistos em escolas, onde a utilização destes computadores de baixo custo poderá vir a permitir um aumento do parque informático e do número de crianças com acesso aos novos meios tecnológicos.

Mesmo que não venha a ser adoptado em massa, o Raspberry PI tem potencial para satisfazer diferentes necessidades individuais ou colectivas, com um custo bastante reduzido. É mais uma arma no arsenal de qualquer hacktivista.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *